Da Covid-19 à Gripe Espanhola: conheça as maiores pandemias da história

Atualmente, o mundo está em alerta com o surgimento de uma nova pandemia, causada pelo vírus da Covid-19, ou novo coronavírus. E não é para menos, já que passa de milhões o número de infectados por ele.

Mas você sabia que não é a primeira vez que doenças altamente infecciosas assolam o mundo?

Um dos primeiros relatos de uma pandemia data do ano de 1580. Tratava-se de um vírus do tipo influenza, surgido na Ásia, que rapidamente se espalhou pela África, Europa e América do Norte.

Diversas pandemias surgiram em seguida, como o vírus HIV, causador da Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), tuberculose, varíola, tifo, sarampo e malária.

Nas últimas décadas, os surtos aumentaram e doenças têm se espalhado mais rapidamente pelo mundo — como foi o caso dos atuais Zika, Ebola e, agora o coronavírus — Mas por quê?

Vamos entender um pouco mais sobre esse assunto tão atual e que trouxe tantos avanços e mudanças para a humanidade? Acompanhe!

Explicando o que é epidemia e pandemia:

É comum que haja confusão com o termo “pandemia”. Afinal, qual é a diferença entre pandemia e epidemia? Existem outras classificações para doenças desse tipo? Confira uma breve explicação:

  • Epidemia – doença que atinge um número considerável de casos em um tempo relativamente curto. Pode ser municipal, estadual ou nacional. Ocorrem surtos em várias regiões.
  • Pandemia – ocorre quando uma epidemia compromete vários países, atingindo níveis mundiais.

Existem, também, duas outras classificações para essas doenças:

  • Surto – doença com aumento inesperado do número de casos em uma região específica.
  • Endemia – doença que acomete uma região com frequência relativamente estável.

Conheça algumas das piores pandemias e epidemias da história

Agora que você já sabe a diferença entre as classificações que descrevem o alcance de doenças, vamos conhecer um pouco mais sobre as doenças que marcaram a história da humanidade? Confira!

Peste Bubônica (1346 – 1353)

Mais conhecida como Peste Negra, essa doença é, sem dúvidas, uma das mais conhecidas e é considerada uma das piores pandemias já vistas na história. Os primeiros casos surgiram na Ásia Central e rapidamente se espalharam por toda a Europa, África e Ásia, causando mortes entre 75 milhões e 200 milhões de pessoas.

Os motivos? Condições precárias de higiene e de saneamento nas cidades.

As cidades e vilas sem planejamento e condições mínimas de saneamento básico contribuíram com a propagação da doença, já que ofereciam condições para a proliferação de ratazanas e pulgas contaminadas pela bactéria Yersinia pestis.

A propagação rápida da doença está relacionada às caravanas de comércio a bordo de navios mercantes, que difundiram a doença por diversos continentes e, somente na Europa, dizimou um terço da população.

A enfermidade durou anos e foi controlada no final do século XIX com a adoção de medidas de higiene nas cidades medievais. 

Gripe Espanhola (1918 – 1920)

Causada pelo vírus influenza, a pandemia de Gripe Espanhola teve seus primeiros casos relatados em janeiro de 1918, infectando cerca de 500 milhões de pessoas e causando a morte de 20 milhões a 50 milhões de pessoas até dezembro de 1920.

O que diferenciou essa gripe dos demais surtos até então foram as vítimas e condições de transmissão. A doença afetava principalmente jovens e adultos completamente saudáveis e era considerada altamente infecciosa.

Apesar de receber o nome de Gripe Espanhola, a doença não surgiu na Espanha. Devido à intensa cobertura da imprensa espanhola, já que em plena Primeira Guerra as notícias dessa gripe letal eram censuradas em grande parte dos países europeus, a doença passou a ser associada ao país.

Varíola (Vários períodos da história)

Com registros na Ásia e na África anteriores ao ano 1 antes de Cristo, a varíola acometeu a humanidade em diversos períodos. Acredita-se que, em 3 mil anos, a doença tenha causado um número total de mortes incalculável e pelo menos 500 milhões de vítimas apenas no século XX.

Mesmo tendo sido endêmica na Europa, Arábia e Ásia, sua pior fase foi a partir do século XV. Com sintomas muito característicos, a doença causava sintomas como febre, erupções na garganta, na boca e no rosto, fazendo vítimas fatais em 3 a cada 10 pessoas da população nativa do Velho Mundo.

A varíola foi considerada erradicada pela OMS após a campanha de vacinação em 1980.

H1N1 (2009 – 2010)

O vírus H1N1, influenza A, ou como ficou mais conhecida, Gripe Suína, teve seus primeiros registros no México e foi declarada, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), uma pandemia em abril de 2009. O nome tem relação com a origem da doença. A cepa de vírus H1N1 é muito comum em porcos.

A doença contaminou 1,4 bilhão de pessoas, matando cerca de 151.700 a 575.400 pessoas até o desenvolvimento e distribuição da vacina.

Os sintomas incluem febre, tosse, dor de garganta, calafrios e dores no corpo. Uma característica muito incomum do H1N1 são as vítimas: principalmente crianças e jovens adultos, sendo que 80% dos casos fatais eram de pessoas com menos de 65 anos de idade. O surto amenizou após o surgimento da vacina, que hoje é incluída nas campanhas de vacinação anual de diversos países, inclusive no Brasil.

HIV/ Aids (1976 – até os dias atuais)

O vírus HIV tem seus primeiros registros no ano de 1976 na República Democrática do Congo. Com milhares de vítimas na África, a doença teria permanecido restrita a pequenos grupos e tribos da África central, na região ao sul do deserto do Saara, até que guerras por independência e fatores relacionados à globalização, como o desenvolvimento de estradas, ajudaram a disseminar o vírus pelo mundo.

A doença rapidamente se tornou uma pandemia, matando mais de 36 milhões de pessoas. Durante muito tempo, a doença não possuía um tratamento eficaz e carregava muitos estigmas.

Somente a partir de 1990 foram criados tratamentos que permitiram que os infectados pudessem seguir suas vidas normalmente. Atualmente, estima-se que entre 31 e 35 milhões de pessoas ainda vivem com o vírus e uma das maiores buscas da ciência é a criação da vacina contra a doença.

A atual pandemia não sai dos noticiários e, sem dúvidas, será um tema muito cobrado nos vestibulares e Enem. Além disso, também é muito interessante conhecer a história da humanidade. O que você achou do conteúdo? Continue acompanhando nosso blog e aprenda sempre os assuntos mais importantes para os seus estudos.

Gostou? compartilha.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais posts relacionados.

As melhores apostas para tema de redação em 2022

A pergunta que não quer calar: quais serão os temas das redações do ENEM e dos principais vestibulares de 2022? Confira no artigo algumas apostas.

Como estudar para os vestibulares com provas anteriores

Os vestibulares costumam seguir o mesmo padrão de um ano para o outro. Por isso, é muito importante que o pré-vestibulando conheça os exames realizados anteriormente e aproveite as infinitas...

Humor e aprendizado combinam? Entenda como aprender se divertindo

Dicas de estudo testadas e comprovadas não faltam por aí, e a maioria de nós sabe o básico: coisas como desenvolver um plano claro, encontrar um espaço sem distrações, fazer...

Como aproveitar o Ensino Médio para se preparar para a faculdade

Se você clicou neste artigo, certamente já está pensando no vestibular, mesmo que ainda não esteja no ano das provas. E faz certo! Por mais que o último ano seja...

Quais os assuntos que mais caem no Enem?

A data do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está se aproximando! E quando começa a contagem regressiva para a prova, a ansiedade vai aumentando, não é mesmo? Mas não...

Enem Digital: O que você precisa saber?

Neste ano de 2020, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) terá também aplicação digital. Essa informação certamente não é novidade. Mas, afinal, o que muda a partir de agora?...